Pin-up Músic

Babygirls e Rockers

Friends

Search this blog ( pesquisa )

I am : Mademoiselle

Minha foto
São Paulo, SP, Estonia
A pin-up girl in a modern world: Gypsy/Pin Up/Fetishist/Scorpio/Dancer/Passionate ****

terça-feira, março 22, 2011

A História do Burlesco

Show Burlesco

 

Boa Tarde honeys>>>>>>>>>>>>>>>>>.

Ao contrário do que se pode pensar, o Burlesco não se trata de um grupo de strippers que se apresentam num palco, muito pelo contrário.

O Burlesco é um direto descendente da chamada Commedia dell'arte, uma forma de teatro de improviso que se realizava na Itália, muito popular entre os séculos XV e XVII. Eram pequenas companhias compostas no máximo por 10 elementos que viviam das contribuíções populares das suas performances ao ar livre.Versavam temas convencionais da época como o ciúme, o adultério, os afetos e mesmo algumas peças de comédias romanas e gregas perdidas no tempo. Muitas dessas peças romanas e gregas tinham personagens que satirizavam escândalos locais, eventos da altura, gostos regionais, etc. Ainda hoje conseguimos identificar muitas dessas personagens como o Arlequim, a Columbina, o Brighella, entre outros.  
Commedia dell'arte

(...)Sendo Commedia dell'arte uma das fontes principais de muitas das artes perfomativas modernas (ballet, marionetes, comédia, sátira, strip-tease, dança erótica, entre muitas outras) naturalmente ela acabou por ter expressão num país recente como os Estados Unidos da América. 


Ballet


O Burlesco surge assim no século XIX nos chamados Music Hall dos EUA e do Canadá, sendo estes espaços um conceito inglês, onde em resultado da urbanização e da industrialização, se criou uma espécie de teatro britânico de entretenimento popular composto essencialmente por música, comédia e performances especiais (muitas vindas do circo, como trapesistas, ventríloquos, comedores de fogo, marionetistas, entre muitos outros). Esses espaços surgiam como contraposição à ‘ordem dos teatros tradicionais’, sendo que nos ‘Music Hall’ se podia consumir álcool, estar em pé, sentar-se em mesas, muito mais próximo da cultura popular da época e consequentemente menos elitista.

Ao Burlesco, nos E.U.A. e Canadá, junta-se uma linguagem específica,  o Vaudeville (termo que foi adulterado do francês, “voix de ville”, a voz da cidade), que era uma forma de arte que se afirmou essencialmente desde o início de 1800 até 1930 e foi buscar as suas origens aos espetáculos que se realizavam nos saloons, freak shows e nos chamados Dime Museums (instituições criadas para o entretenimento e educação moral das classes pobres norte-americanas), bem como à literatura burlesca.  Todos os dias nos já referidos Music Hall eram apresentados uma série de performances sem qualquer relação entre eles, desde músicos (clássicos e populares), dançarinas, comediantes, animais amestrados, mágicos, imitadores, acrobatas, pequenas peças de teatro e inclusive, pequenos filmes.     


O Burlesco se trata assim, de uma rica forma de arte musical e cômica nos Estados Unidos da América que remonta aos anos de 1830/40 e que se foi redefinindo ao longo de décadas até essencialmente 1960. No seu início, no século XIX, o Burlesco teve um papel fundamental na mudança de costumes, principalmente na visão sexual da mulher. Pela primeira vez a mulher norte-americana podia mostrar o seu corpo.

Assim, no século XIX o termo burlesco era ainda usado para um conjunto de espetáculos cômicos, que pretendia satirizar o modo de vida das elites sócio-econômicas dos E.U.A. e da Inglaterra.
O declínio do Vaudeville e do Burlesco inicia-se com a afirmação do cinema no início do século XX e com a utilização daqueles espaços populares usualmente utilizados por esses espetáculos, para a apresentação de películas cinematográficas.

O Vaudeville e o Burlesco acabaram por fazer a sua migração para outras plataformas de exposição pública, como a rádio e a televisão. Hoje assiste-se a um revivalismo do Burlesco e do Vaudeville, que se iniciou nos anos 90 com alguns grupos interessados em renovar e revitalizar esta expressão de arte, essencialmente em Nova York e em Los Angels. Essas iniciativas nos anos 90 de rivivalismo permitiram inspirar toda uma nova geração de performers nos E.U.A. e no Canadá, constituindo-se hoje como uma verdadeira expressão de cultura popular, à semelhança da sua origem. Hoje o novo Burlesco é composto por muitas artes perfomantivas, inter-disciplinares, incluíndo desde o striptease (de uma forma muito mais sensual e menos sexual que no seu início), adereços vistosos, humor negro, cabaret, magia, entre muitas outras expressões de arte perfomativa. 
 
Algumas pics de mulheres que fizeram história no Show Burlesco
Sarah Bernhardt (1844-1923), diva do teatro francês, leva a fama de ser uma das pioneiras do strip-tease
Gypsy Rose Lee (1911-1970), além de tirar a roupa, divertia a plateia com textos espirituosos e bem-humorado
Ann Corio (1914-1999), ficou conhecida por seu show inocente, no qual mostrava pouco o corpo
Lili St. Cyr (1918-1999), ex-bailarina clássica, ela era a mais refinada e classuda das strippers
Tempest Storm (1928), ao contrário da maioria das strippers, a ruiva da Geórgia não precisava inventar moda nos palcos para ganhar fama. Seus seios levavam as plateias ao delírio e lhe garantiram a fama
Blaze Starr (1932), famosa nos anos 60, ficou conhecida por ser um vulcão em cena

Dita Von Teese (1972), é uma devotada fã de Bettie Page e das estrelas do teatro burlesco. Suas apresentações e figurinos homenageiam pin-ups e estrelas do strip-tease.

Dita von Teese

É muito bom saber que tudo tem um porque, que não começou do nada, que o burlesco iniciou-se no século XV, ou seja, tem história, apesar de ter sumido por algum tempo.
Nos próximos posts, saberemos mais da história destas mulheres que deixaram a sua marca no Show Burlesco.
  • O começo: Grã-Betanha

O burlesco em sua tem suas origens nos music halls da Grã-Bretanha do século 19, onde o termo se referia ao entretenimento teatral de uma forma cômica de se curvar. Começou em 1840, as sátiras de comédia burlesca entretinham as baixas e médias classes fazendo graça (ou “burlescando”) de óperas, peças e hábitos sociais das classes mais altas. Em 1860, mulheres nuas e com belas formas foram inseridas para manter a audiência interessada. Na idade Vitoriana, onde mulheres direitas optavam por grandes comprimentos de roupa para esconder seus físicos debaixo de babados, a idéia de moças aparecendo no palco em apertadas prendas foi uma grande emoção.

1860: exportado à AméricaA britânica Lydia Thompson foi a primeira estrela burlesca e foi fundamental na exportação do estilo à América. Em 1860 sua troupe burlesca – As British Blondes, ou “loiras britânicas – se tornou na maior atração teatral de New York. Seu primeiro hit foi Ixion, uma paródia mitológica que continha mulheres em colãs reveladores fazendo papel de homem. Mulheres nuas interpretando agressores sexuais, combinando grandes figurinos com uma comédia insolente – numa produção, imagine vocês, escrita e dirigida por uma mulher, impensável!





  • Explosão Burlesca

O sucesso de Lydia lançou uma explosão burlesca. Mabel Saintley se tornou a primeira estrela americana nativa. A partir de essa data, o burlesco foi uma mistura de ator de comédia masculino com uma perna de mulher à mostra com música e dança. Era bem monótono comparado com a atualidade – mas um pouco de perna naquela época levava a audiência à loucura. Na França eles tinham seus próprios métodos no qual o cancan e os espetaculares music halls como o Folies Bergére e o Moulin Rouge.

  • Começo do século 20

Na primeira metade do século 20 os shows burlescos floresceram nos dois lados do Atlântico. Na América, editoriais e sermões condenando o burlesco como “indecente” só tornou o estilo mais popular e os teatros burlescos estouraram através dos EUA. A maior estrela burlesca do século 20 foi Millie DeLeon, uma atrativa morena que atirava suas ligas para a audiência e ocasionalmente abandonava o uso de colas. Tantas travessuras a deixaram presa em algumas ocasiões, que ajudaram a dar ao burlesco uma reputação obscena. A partir disso, dançarinas de burlesco eram como a versão vitoriana de mulheres de jogadores de futebol. Fora dos palcos, elas tinham uma presença ornamental, provocando socialites bem-nascidas e até a realeza, desse modo transgredindo sua origem de classe operária. Adornadas de maneira supérflua eram a arma perfeita para escritores como Jean Cocteau e Oscar Wilde.


O nascimento do strip-tease

Em 1920, filme e rádio estavam caindo na popularidade burlesca. Então o strip-tease foi introduzido como uma oferta desesperada que de alguma forma, o filme e o rádio não podiam fazer. De fato, o strip-tease esteve aí desde o final do século anterior. Então, promotoras do burlesco tiraram o strip do baú e o puseram nos palcos. As stripers tinham uma fina linha entre titilação e decência, que podiam colocá-las na prisão por corromper a moral pública. Logo, as stripers foram denominadas burlescas, e sua rotina se tornou crescentemente explícita. Para evitar a nudez total, mas ainda dando à audiência o que ela queria, as moças tapavam as virilhas com cordas frágeis e algo para tapar os mamilos. Isso era suficientemente o bastante para evitar o ataque da polícia. Mas agora os homens iam aos shows burlescos para ver mulheres fazendo strip. A comédia não era mais a atração chave. Quanto mais as garotas tiravam, mais a audiência gostava. Numa época onde o medo por um escândalo pessoal e doenças sexuais eram preocupantes, o burlesco estava relativamente a salvo. Estrelas dessa era eram a dançarinas Sally Rand e Gypsy Rose Lee. 





  • Década de 20: a repressão 

Enquanto a popularidade do burlesco aumentava, também acontecia o mesmo com as criticas. Na metade da década de 20, a depressão da América começava. Empresários burlescos contavam com seus advogados, que sempre vinham com brechas legais por mais de uma década.


Garotas nuas em Londres


No começo de 1930, Laura Henderson abriu um pequeno teatro em Londres, o Windmill. Ali, ela lançou um
initerrupto show de variedades com cantoras, dançarinas, showgirls, e números especiais. Logo, virou um sucesso. Mas quando Laura decidiu imitar o bem-sucedido Moulin Rouge e colocar garotas nuas no palco, o negócio explodiu. Ali foram concedidos suntuosos shows com temas de nu com temas como sereias, índias, etc. Garotas Nuas chegou à Grã-Bretanha e o teatro havia se tornado mundialmente famoso. A maioria dos clientes do teatro Windmill eram famílias, tropas de guerra assim como celebridades, que vinham como convidados de Laura, incluindo a princesa Helena Victoria e Marie Louise (a filha e a neta da rainha Vitória). Elas seriam o ocasional problema com clientes masculinos, mas a segurança estava sempre ali para olhar por comportamentos impróprios. A história desse famoso clube foi imortalizado no filme Mrs. Henderson Presents, com Judi Dench e Bob Hoskins.

  •  1940 
Foi a década das pinups. Hollywood estava emergindo em uma imagem sexy e glamorosa que devia muito ao burlesco, com mulheres de chapéu esparsos, malhas e colãs de arrastão, dançarinas de fan (leque de penas), garotas cancan e uma multidão de saltos altíssimos. Com isso vieram as sereias sexys do cinema como Betty Grable (que na época fez um seguro de um milhão de dólares para duas pernas). Apesar da depressão dos EUA, as revistas masculinas com títulos como Peep Show, Eyeful e Cavalcade of Burlesque continuaram a manter o burlesco vivo. Clubes noturnos contrataram estrelas para dançar em seus clubes e uma nova forma de burlesco em clubes havia emergido. A maiores estrelas burlescas americanas como Gypsy Rose Lee, Sally Rand e Georgie Sothern formavam suas próprias companhias e faziam tournês pelo país com suas showgirls e levou o estilo de dança hollywoodiano às massas. Novas dançarinas surgiram com figurinos e coreografias mais elaborados. Tal como Lili ST.Cxyr, que impressionou audiências com seu banho de espumas no palco, e Evangeline, a Garota Ostra.

  • 1950


Essa década foi o ponto máximo do glamour em Hollywood. A forma feminina era celebrada na grande tela como nunca antes. Seios voluptuosos e grandes quadris eram a coisa. O corset teve um retorno dramático. Com Marilyn Monroe em cena, sua mistura de comédia com “tiração” de onda deve muito ao velho estilo burlesco.

Marilyn Monroe


E no cenário burlesco mundial, Monroe tinha até seu próprio imitador – Dixie Evans – que mostrou muito mais do que Marilyn mostrava enquanto dançava com Joe di Maggio (marido de Marilyn) fictício. Também foi a década de Bettie Page, uma garota pin up que estrelou em inúmeros filmes burlescos – Striporama (1953), Varietease (1954), e Teaserama (1955).

  • 1960

Pornografia explícita se tornou facilmente disponível e o homem não mais precisava de stripers para alimentar suas fantasias. Os poucos shows burlescos restantes tinham um pornô leve. A era do amor livre e nudez deixou a arte do strip-tease redundante e fora de moda. No burlesco começou um leve e longo declínio.

  • 1970 a 1990

Em um mundo onde o sexo está por toda parte, o burlesco ficou totalmente extinto. Na América, somente Las Vegas manteve o glamour vivo com suas exóticas showgirls tipicamente em topless adornadas com plumas, lantejoulas e arrastões. Na Europa o Mouling Rouge se tornou a atração principal, embora sua programação era geralmente para música disco (quem diria!!)
O renascimento


Na metade dos anos 90, uma nova geração nostálgica pelo espetáculo e glamour dos velhos tempossuper-estrela do gênero, o burlesco está de volta! Vida longa ao burlesco! nasceu, e foi com o retrocesso contra o “já-vi-tudo” da pornografia, que renasceu a ate da provocação. Agora com os clubes burlescos surgindo de todas as partes do globo e Dita Von Teese se tornando a primeira


Dita Von Teese
Dita Von Teese
Mademoiselle Gypsy Alexandra

Nenhum comentário:

Postar um comentário